“Se o governador quiser falar com Bolsonaro é só ligar para mim”, diz Julian Lemos

O deputado federal eleito, Julian Lemos (PSL), negou nesta sexta-feira (9), durante entrevista à Rádio Correio, reunião entre o governador eleito da Paraíba, João Azevêdo (PSB) e o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). Segundo Lemos, trata-se de especulação da mídia a partir de uma ideia sugerida por João Dória (PSDB), governador eleito de São Paulo.

Lemos destacou, no entanto, que está de braços estendidos para intermediar entendimentos entre João Azevêdo (PSB) e Bolsonaro (PSL). Ele ressaltou que o estado vai precisar muito do Governo Federal, porque foram feitos empréstimos milionários que, necessariamente, o governo terá muitas dificuldades financeiras.

 “Essa reunião não existe. Foi ideia de Dória. Agora, se o governador quiser falar com Bolsonaro é só ligar para mim que eu estarei disposto a levá-lo para falar com o presidente. Eu não quero saber de oposição ou situação. Quero o melhor para Paraíba. Ele vai precisar muito da ajuda do Governo Federal”, destacou.

Transição de governo

O deputado eleito, membro da equipe de transição, disse que as informações ainda são preliminares, mas declarou que deve ser divulgado um relatório, nos próximos quinze dias, que vai revelar a forma desrespeitosa com que o dinheiro público é aplicado. Julian reafirmou que mais dois nomes da Paraíba vão para equipe de transição: um advogado e um economista.

Cargos federais

O deputado disse que ainda não discutiu esse tema, já que está focado na transição, mas voltou a afirmar que o foco para preenchimento dos cargos é, eminentemente, técnico. Ele garantiu que o futuro presidente fará corte de cerca de dez mil cargos comissionados no país e disse que não haverá o famoso “toma lá , da cá” na distribuição dos cargos.

Candidatura do PSL em Cabedelo

Lemos afiemou que vai discutir o assunto ainda hoje com a provável candidata do PSL em Cabedelo, Morgana Macena. Apesar de destacar que ainda não há uma decisão sobre candidatura, Julian ressaltou que há uma cobrança da população por uma nova forma de fazer política na cidade.

 

 

Blog do Anderson Soares