Banne 01

Advogado Maikon Minervino comenta decisão do TCE-PB que reprovou contas de tr√™s ex-prefeitos interinos de Patos

Maikon Minervino destacou que o relator F√°bio Nogueira apontou diversas irregularidades que a prefeitura desempenhou ao longo do exerc√≠cio de 2019, quando os tr√™s ex-gestores estiveram a frente da gestão municipal.

Por Eduardo Rabêllo em 07/12/2023 às 16:57:01
Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O advogado Maikon Minervino, em contato com o jornalista Marcos Oliveira, falou sobre a decisão do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB), que reprovou as contas anuais da Prefeitura de Patos, relativas ao exercício de 2019, geridas pelos ex-prefeitos Bonif√°cio Rocha, Sales Junior e Ivanes de Lacerda (in memoriam).

Maikon Minervino destacou que o relator F√°bio Nogueira apontou diversas irregularidades que a prefeitura desempenhou ao longo do exercício de 2019, quando os tr√™s ex-gestores estiveram a frente da gestão municipal.

Entre as principais irregularidades, estão o elevado déficit financeiro e orçament√°rio do município, implicando dizer que a gestão sempre trabalhou no vermelho, sem planejamento do orçamento; o excesso de contratações tempor√°rias por excepcional interesse público, algo vedado pelo Tribunal; além da aus√™ncia de repasse das contribuições previdenci√°rias dos respectivos servidores municipais.

"Foram afrontas que o conselheiro F√°bio Nogueira encontrou nessa prestação de contas do ano de 2019 e, por isso, ele julgou que essas contas não poderiam ser aprovadas em virtude dessas falhas que aqui foram elencadas", comentou Maikon Minervino.

Outro ponto destacado pelo advogado diz respeito às gratificações sem amparo legal, onde o relator questiona no processo que v√°rias gratificações foram inseridas nos contracheques dos servidores, sejam eles efetivos, comissionados ou tempor√°rios, sem o devido amparo legal ou justificativa precedente.

Sobre o julgamento, Maikon Minervino frisou que os tr√™s ex-gestores ainda serão intimados dessa decisão, após isso, ser√° aberto o prazo para uma nova defesa, onde eles poderão entrar com recurso de reconsideração, previsto no Regimento Interno do TCE-PB, para que seja apreciado novamente as suas defesas e novos questionamentos.

O advogado disse também que caso a defesa dos ex-gestores não consiga reverter a decisão, as contas ainda serão apreciadas pela C√Ęmara Municipal de Patos. Desse modo, até l√°, enquanto o processo estiver sendo julgado, os envolvidos não ficam inelegíveis, punidos com perda de cargo ou impedidos de participar de qualquer pleito eleitoral.

Patosonline.com

Comunicar erro
Banne 02

Coment√°rios

Banne 03